10 conselhos para se manter seguro durante a pandemia de COVID-19

10 conselhos para se manter seguro durante a pandemia de COVID-19

A pandemia de covid-19 tem sido uma realidade na nossa sociedade nos últimos meses. Na verdade, não faltam notícias e informação sobre o assunto. Mas será que já conhece todos os melhores conselhos para se manter seguro durante a pandemia? Iremos partilhar consigo tudo o que deve fazer para se manter protegido!

Conselhos para se manter seguro durante a pandemia

1. Compreender a COVID-19, causada por Coronavirus

Em primeiro lugar, o mais importante é informar-se devidamente e compreender a doença de um modo geral. Por outras palavras, mesmo não sendo profissional de saúde, é essencial perceber como se transmite o vírus, a que distancia é seguro estar de outras pessoas, quanto tempo pode sobreviver o vírus fora do organismo, quais são os primeiros sintomas, quais são as diferenças dos sintomas em relação a outras doenças, entre outros aspectos gerais.

Ou seja, ao compreender como funciona a doença e a transmissão, terá melhor capacidade de perceber o que será um comportamento de risco. Por isso, informe-se com o seu farmacêutico, com o seu médico ou online em sites fidedignos como o da Direcção Geral de Saúde, da OMS ou do INFARMED.

2.Usar máscara

A utilização de máscara nos tempos em que vivemos é essencial para evitar contrair a COVID-19. A máscara deve ser utilizada sempre que haja outras pessoas presentes, que não sejam do nosso agregado familiar, principalmente em locais públicos. Nesse sentido, há que saber que existem vários tipos de máscaras, com diferente eficácia na prevenção do coronavirus.

Por exemplo, existem diferentes máscaras:

  • cirúrgicas
  • FFP2
  • KN95
  • FFP1
  • FFP3
  • de tecido
  • de tecido com filtro

Para além disso existem vários tipos de filtros. Portanto, é importante saber que máscara usar, em que situações e quais as suas particularidades. Em breve teremos um artigo sobre este assunto, fique atenta/o.

conselhos para se manter seguro durante a pandemia

3. Evitar contacto físico com outras pessoas

Acima de tudo, o contacto físico com outras pessoas, é a forma principal de contágio de COVID-19. Ou seja, além da proximidade à respiração da outra pessoa, ainda haverá trocas por contacto físico.  Portanto, assim como não devemos tocar na cara ou no cabelo, temos de ter cuidado quando mexemos em superfícies onde outras pessoas tenham tocado. Mas, o cuidado deve ser ainda maior depois de tocar noutra pessoa. Logo, temos sempre que lavar ou desinfectar as mãos se quisermos usa-las para fazer coisas como coçarmo-nos, ajeitar o cabelo. etc.

4. Ter princípios básicos sanitários e de higiene

Essencialmente há que manter princípios básicos de higiene durante a rotina diária, especialmente se andar em locais públicos. Nesse sentido, é muito importante lavar as mãos com regularidade. Em alternativa, na impossibilidade de o fazer, deve desinfectar as mãos. Faça-o sempre depois de mexer em locais onde outras pessoas mexam com frequência. Por exemplo, é importante perceber que depois de tocar num corrimão num local público, há que lavar ou desinfectar as mãos ANTES de coçar a cara ou mexer no cabelo.

5. Evitar estar em locais com muitas pessoas

Há que perceber que em locais fechados, especialmente se forem insuficientemente ventilados, o risco de transmissão é muito superior. De facto, a via de transmissão mais importante, contrariamente ao que se acreditava inicialmente, é a via aérea. Então, o vírus transmite-se principalmente pelo ar, seja por tosse, por espirros ou mesmo pela simples respiração. Portanto, em locais fechados e sem ventilação o ar está parado e se houver muitas pessoas a probabilidade de infecção aumenta muito. Mas, mesmo em locais ao ar livre, a proximidade é sempre um risco, e quanto mais pessoas houver, maior o risco de alguém estar doente nos contagiar.

6. Compreender que a maioria das pessoas infectadas não tem sintomas

Na verdade, a maioria das pessoas infectadas com COVID-19 não tem sintomas, o que não significa que não possam transmitir a doença. De facto, é uma das maiores ilusões e que contribui para que a doença dissemine, é achar que quem não tem febre nem tosse, é porque está saudável. Além de a doença demorar vários dias a demonstrar sintomas, há pessoas que não chegam a ter sintoma nenhum, especialmente nas gerações mais jovens. Portanto, essas pessoas terão menos hipóteses de contagiar, mas podem infectar o próximo na mesma.

7. Informar e educar crianças

Do mesmo modo que é importante compreender a doença, também é importante que os mais pequenos também percebam. Aliás, as crianças, apesar de não terem sintomas como os adultos na maioria dos casos, podem transmitir o virus à família. Portanto, torna-se importante que seja explicado às crianças, numa linguagem que percebam, o que é a covid.  Temos de os educar no sentido de saberem como se devem comportar, dentro do possível, para evitar que se infectem.

8. Vacinação para a gripe

Tal como todos os anos, a vacina da gripe é recomendável, especialmente para pessoas que estejam em grupos de risco ou mais expostos. Este ano será muito importante a vacinação para diminuir as hipóteses de contrair gripe e evitar idas desnecessárias às urgências. Adicionalmente, será importante para evitar a presença de sintomas que se podem confundir com COVID-19. Por isso, vacine-se!

Serviços Farmacêuticos

9. Moderar idas às urgências

No encadeamento do conselho anterior, há que realçar a importância de moderar o recurso à urgência médica, especialmente este ano. As urgências existem para apresentar resposta a situações… urgentes! Portanto, evite recorrer a urgências sem ser necessário.

Além de ter que se testar para poder entrar, potencialmente estará a contribuir para o “entupimento” da urgência e ainda se está a expor a quem possa estar infectado com COVID-19 ou outras doenças que se transmitam por via respiratória.

Consulte antes com a sua farmácia, pessoalmente, por telefone ou via digital para se aconselhar ou utilize a linha SNS 24, através do 808 24 24 24.

10. Cuidar da saúde

Por último e não menos importante, em contraste com o conselho anterior há que pesar o reverso da medalha. O medo da pandemia não pode ser impeditivo de ir ao hospital se a situação o requerer.

Não adie exames por sua iniciativa, não deixe de ir ao hospital se tiver uma urgência, não deixe de ir às consultas que tinha marcadas. Nos últimos seis meses, uma das consequências da pandemia tem sido o aumento de outras doenças e da mortalidade indirecta por falta de acompanhamento.

Não descure a sua saúde por causa da pandemia e pense também na sua saúde mental!

Uma situação como a que se tem vivido pode ser muito “pesada” psicologicamente para muitas pessoas. Apesar de não dever contactar fisicamente com as pessoas fora do seu agregado familiar, não deixe de socializar. Por exemplo, telefone, utilize a internet, faça video-chamadas a familiares e amigos. A solidão e o isolamento social são também responsáveis por muitos problemas.

Agora que conhece os conselhos para se manter seguro durante a pandemia  da Farmácia Central Online, saiba também que estaremos sempre disponíveis para esclarecer as suas dúvidas. Até breve!

Gostou do artigo? Deixe aqui o seu comentário.